Os 10 Efeitos Colaterais do Milho

Revisado por

Nutrição - CRN6-MA 16199

Os 10 Efeitos Colaterais do Milho
4.9 (97.5%) 8 vote[s]

Os 10 Efeitos Colaterais do Milho que não devemos ignorar. Além disso, o Milho é realmente um grão! Disponível em todos os lugares, os primeiros foram cultivados na América Central e no México. E nós, índios, desenvolvemos um vínculo especial com eles! O Milho está disponível em cores castanhas, roxas e azuis também!

Os 10 Efeitos Colaterais do Milho

Ele é usado na cobertura de pizza, cozido como um prato separado ou comido como Milho doce – a maneira de consumir o Milho é inútil, mas os benefícios fornecidos permanecem os mesmos. Mas o milho só há um lado? Comer milho provoca a Efeitos Colaterais?

Na verdade sim! O Milho tem seu próprio conjunto de efeitos colaterais. Muitos desses efeitos colaterais de Milho doce podem eliminados facilmente, enquanto outros precisam de um pouco de cuidado.

Provoca Reações Alérgicas:

O consumo de milho pode levar a alergias e sintomas como erupções na pele, inchaço da mucosa, vômitos, etc. Muitas pessoas também sofrem de ataque de asma e anafilaxia após consumir Milho. A principal razão por trás das alergias é a proteína presente no Milho.

Risco de Pelagra:

O Milho é um alimento básico de muitas pessoas. Caso consuma Milho em quantidades elevadas, então corre o risco de entrar em pelagra. Pelagra é a deficiência de vitaminas, especialmente a niacina.

O milho é deficiente em aminoácidos (lisina e triptofano) e niacina, o que ajuda na proteção do corpo da pelagra. Se o Milho for a maior parte de sua dieta, então complemente com alimentos ricos em vitaminas para prevenir a pelagra.

Não é bom Para Diabéticos:

O Milho afeta negativamente as pessoas que sofrem de diabetes, pois aumenta o nível de açúcar no sangue no organismo. O Milho tem um alto teor de carboidratos, o que leva ao aumento dos níveis de açúcar no sangue. Assim, as pessoas que sofrem de diabetes não devem consumir milho em grandes quantidades.

Causa Inchaço e Flatulência:

O Milho contém uma porcentagem elevada de amido. Quando você consome o milho, ele é quebrado no intestino grosso e produz muito gás. Então, caso consuma grandes quantidades de Milho, você pode ter inchaço e flatulência.

Provoca Indigestão e Estômago:

O Milho é uma boa fonte de fibra e outros nutrientes vitais, o que ajuda na eliminação das toxinas ruins do corpo. Mas uma sobredosagem dessas fibras pode ser ruim para seu estômago. Mesmo que coma grandes porções de cereais, voe pode ter indigestão e cólicas no estômago! Então, observe a quantidade de Milho que está consumindo, em qualquer uma das formas.

Provoca Irritação Intestinal e Diarreia:

O Milho não deve ser consumido cru porque pode resultar em diarreia. O Milho também provoca muitas doenças intestinais.

Causas Decadência Dentária:

O milho contém uma boa quantidade de açúcar, de modo que pode levar à decomposição dentária em algumas pessoas. Este é um dos efeitos colaterais mais raros do Milho, mas que não deve ser desconsiderado! Tenha uma boa higiene bucal e escove os dentes depois de comer Milho.

Provoca Osteoporose:

As pessoas que dependem da dieta de Milho podem sofrer de osteoporose, pois o milho contém muito menos quantidade de cálcio. Mas isso é relevante apenas se o Milho não for complementado com alimentos ricos em cálcio.

Aumenta o Peso:

Como mencionado anteriormente, o Milho contém uma forte dose de açúcar e carboidratos. O consumo excessivo de milho certamente pode levar ao aumento de peso. As pessoas em dieta devem evitar o consumo de Milho.

Sonolência e Letargia:

O Milho contém uma ampla quantidade de amido. O amido pode causar sonolência e levar à letargia. Estes são os efeitos colaterais do consumo de Milho. A maioria desses efeitos negativos do milho pode ser combatido com uma refeição equilibrada.

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

INFORMAÇÃO DO AUTOR: Ana Karolynne Goncalve

Sou graduada no curso de Nutrição pela Universidade Federal do Maranhão(UFMA), CRN6-MA 16199, com Mestrado na área da Nutrição Clínica com relação ao metabolismo, prática e terapia nutricional, realizado também na Universidade Federal do Maranhão(UFMA), Atualmente trabalho no campo de pesquisa sobre a Qualidade e Inovação em Alimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *