Piridoxina – O que é, Fontes, Benefícios e Deficiência

Revisado por

Nutrição e Educação Física pela UFT

Especialista do Cura Natural

Piridoxina – O que é, Fontes, Benefícios e Deficiência
4.7 (93.33%) 9 vote[s]

A Piridoxina (Vitamina B6) é uma das vitaminas B que beneficia o sistema nervoso central. Está envolvido na produção de neurotransmissores serotonina e norepinefrina e na formação de mielina. Também conhecido como Vitamina B6, a Piridoxina é uma vitamina solúvel em água, o que significa que ela se dissolve em água. Não é armazenado pelo corpo, e é excretado na urina, então as pessoas precisam tomar Piridoxina todos os dias. Faz parte da família das vitaminas do complexo B. Outras funções da Piridoxina incluem o metabolismo da proteína e da glicose e o fabrico de hemoglobina.

A hemoglobina é um componente dos glóbulos vermelhos. Ele contém oxigênio. A Vitamina B6 também está envolvida na manutenção saudável dos nódulos linfáticos, do timo e do baço.

O que é Piridoxina:

A Piridoxina, também conhecida como Vitamina B6, é uma das vitaminas incluídas na família do complexo de vitamina B. Todas as vitaminas B, incluindo a Piridoxina, desempenham um papel importante em diversas funções físicas e psicológicas.

Eles são mais conhecidos por ajudar a manter um metabolismo saudável, função nervosa, função hepática , saúde da pele, saúde ocular, bem como ajudar a aumentar os níveis de energia .

Fontes de Piridoxina:

o que é piridoxina A Piridoxina pode ser encontrada em níveis elevados naturalmente nos seguintes 13 alimentos (porcentagens com base em 1,3 miligramas por dia para adultos com menos de 50 anos):

Alem desses, a Piridoxina pode ser encontra em abacates, arroz castanho, Cenouras, Peixe e Cereal fortificado.

Benefícios da Piridoxina Para Saúde: 

Os principais benefícios da Piridoxina Para Saúde são:

Atuar na multiplicação das células:

A Vitamina B6 participa da multiplicação das células do sistema imunológico e da produção das hemácias.

Prevenir a Anemia:

A Vitamina B6 tem papel importante na prevenção e tratamento desta doença, já que ajuda na produção de hemoglobina que, por sua vez, transporta ferro pelo corpo.

Reduzir os Sintomas da TPM:

A Vitamina B6 atua na eliminação do excesso de estrogênio, ajudando assim a aliviar os sintomas da tensão pré-menstrual.

Prevenir as Pedras nos Rins:

Vitamina B6, em combinação com o Magnésio é benéfica para reduzir as possibilidades de formação de pedra de rim. Juntas, elas reduzem a concentração de oxalato urinário na urina que é responsável pela formação de pedras nos rins.

Combater a Depressão:

A Vitamina B6 auxilia na melhora dos sintomas da depressão. Isto porque ela é importante para a produção de serotonina, um neurotransmissor importante nos processos bioquímicos do sono e do humor.

Melhorar o Coração:

Estudos realizados mostraram que uma ingestão Deficiência de Vitamina B6 aumenta os riscos de doenças cardíacas. Afinal, esta vitamina diminui os níveis de homocisteína no sangue, que está relacionado com doenças cardíacas.

Melhorar o Sono e Contribuir Para o Bom Humor:

A Vitamina B6 ajuda na produção de serotonina, entre outros neurotransmissores importantes relacionados ao sono e humor. Pode ainda, assim, ajudar na melhora dos sintomas da depressão.

Melhorar a Saúde do Cérebro:

Sendo responsável pela síntese de alguns neurotransmissores (dopamina, histamina, serotonina e epinefrina), a Piridoxina ajuda a manter a integridade do cérebro.

Melhorar a Absorção e Digestão dos Nutrientes:

A Vitamina B6 é importante na gravidez por ajudar na prevenção da anemia e também auxiliar na redução das náuseas e vômitos. A Piridoxina auxilia no metabolismo da proteína consumida, que será usada na produção de leite materno.

Melhorar a Saúde da Pele:

A Vitamina B6 metaboliza as proteínas consumidas, fazendo com que a pele se torne elástica. A falta da vitamina causa dermatite e outros problemas de pele.

Quantidade Recomendada de Piridoxina:

É importante saber que a Piridoxina (e todas as vitaminas do complexo B) são solúveis em água, o que significa que elas se dissolvem na água e outros fluidos corporais, então qualquer quantidade destes nutrientes que seu corpo não usa é excretado na urina. Isso significa que a Piridoxina é necessária todos os dias, já que o corpo não pode armazenar vitaminas hidrossolúveis.

A quantidade exata de Piridoxina que você precisa todos os dias depende da sua idade, sexo e circunstâncias especiais, como se você está grávida ou está amamentando. Aqui está uma visão geral sobre a quantidade recomendada de Piridoxina:

Crianças:

  • Recém-nascido a 6 meses: 0,1 miligrama (mg) por dia;
  • Bebés de 7 meses a 1 ano: 0,3 mg;
  • Crianças de 1 a 3 anos: 0,5 mg;
  • Crianças de 4 a 8 anos: 0,6 mg;
  • Crianças de 9 a 13 anos: 1 mg;
  • Meninos de 14 a 18 anos: 1,3 mg;
  • Meninas de 14 a 18 anos: 1,2 mg.

Adultos:

  • Homens e mulheres de 19 a 50 anos: 1,3 mg;
  • Homens com 51 anos ou mais: 1,7 mg;
  • Mulheres de 51 anos ou mais: 1,5 mg;
  • Mulheres grávidas: 1,9 mg;
  • Mulheres amamentando: 2 mg.

A maioria das pessoas que comem uma dieta bem equilibrada e variada receberá a quantidade necessária de Piridoxina sem ter que tomar suplementos dietéticos.

Suplementos de Piridoxina:

De acordo com os Institutos Nacionais de Saúde (NIH), entre 28 e 35 por cento da população no Brasil tomam suplementos vitamínicos contendo Piridoxina.

Os suplementos estão disponíveis em forma de cápsula ou comprimido. O NIH também observa que a maioria das pessoas de todas as idades nos EUA consome suficiente B6.

Aqueles que são mais propensos a ter níveis baixos de B6 são aqueles que bebem quantidades excessivas de álcool, pessoas obesas e mulheres grávidas e amamentando.

Não há provas de nenhum efeito adverso de consumir muita Piridoxina nos alimentos. Entretanto, tomar entre 1 e 6 gramas de Piridoxina oral por dia durante 12 a 40 meses demonstrou causar neuropatia sensorial grave e progressiva e perda de controle do movimento do corpo.

As diretrizes dietéticas para os americanos de 2015 a 2020 recomendam que a maioria dos nutrientes venha de alimentos.

Eles incentivam o consumo de uma dieta equilibrada com alimentos densos em nutrientes e muita fibra dietética.

Piridoxina

Deficiência de Piridoxina:

As deficiências são raras, mas podem ocorrer se o indivíduo tiver uma absorção intestinal fraca ou está tomando estrogênios, corticosteroides, anticonvulsivantes e outros medicamentos.

O consumo excessivo de álcool a longo prazo pode, eventualmente, resultar em deficiência de B6, assim como hipotireoidismo e diabetes. Os sinais e sintomas da deficiência de Piridoxina incluem:

  • Neuropatia periférica com formigamento, entorpecimento e dor nas mãos e nos pés
  • Anemia
  • Convulsões
  • Depressão
  • Confusão
  • Sistema imunológico enfraquecido

Pode levar a uma síndrome tipo pelagra, com dermatite seborreica, inflamação da língua ou glossite e inflamação e rachaduras dos lábios, conhecida como cheilosis.

Nos bebês, as convulsões podem persistir mesmo após o tratamento com anticonvulsivantes. Outras deficiências, como a neuropatia periférica, podem ser permanentes.

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

INFORMAÇÃO DO AUTOR: Alan Costa

Sou nutricionista e Personal Trainer. Me formei pela Universidade Federal do Tocantins em 2002, com registro profissional no CRN-4 nº 1509723, tenho especialização em Nutrição Esportiva, Treinamento Físico e treinos Curto de alta intensidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *