Rubéola Congênita – Causas, Sintomas e Tratamentos

Revisado por

Nutrição - CRN6-MA 16199

Rubéola Congênita – Causas, Sintomas e Tratamentos
4.5 (90%) 4 vote[s]

Rubéola Congênita – Causas, Sintomas e Tratamentos que todos devemos saber. Além disso, a Rubéola Congênita podem transmitir a doença através das secreções respiratórias e urina por cerca de 1 ano e por isso devem ser mantidos a distância de outras crianças que ainda não tenham sido vacinadas. Isso é importante porque as crianças só podem ser vacinadas após os 12 meses de vida, recebendo reforço da dose entre os 4 e os 6 anos.

Assim, se o bebê for diagnosticado com esta síndrome ele não pode frequentar a creche, nem a escolinha até completar 1 ano de idade ou até que os médicos consigam comprovar que ela já não é capaz de transmitir o vírus.

O que é a Síndrome da Rubéola Congênita:

A síndrome da Rubéola Congênita afeta os bebês que foram contaminados com o vírus da Rubéola durante a gravidez. Isso pode acontecer quando a mãe pega rubéola durante a gestação ou quando toma a vacina contra Rubéola Congênita também nesta fase.

O bebê pode ser gravemente afetado e apresentar diversas mal formações que podem ocorrer no coração, fígado, olhos, ossos e outras regiões sendo necessário ser submetido a tratamentos clínicos, cirurgias e fazer reabilitação ainda na infância para melhorar sua qualidade de vida.

A complicação mais comum, que afeta a maioria dos portadores desta doença é a surdez, que pode não estar acompanhada de nenhuma outra alteração.

Principais Causas da Rubéola Congênita:

A Rubéola Congênita é causada pelo vírus Rubella vírus e é transmitida de pessoa para pessoa, por meio do espirro ou tosse, sendo altamente contagiosa. Uma pessoa com Rubéola Congênita pode transmitir a doença a outras pessoas desde uma semana antes do início da erupção até uma a duas semanas depois de seu desaparecimento.

Ou seja, uma pessoa pode transmitir a doença antes mesmo de saber que tem Rubéola Congênita. A doença também pode ser congênita, podendo ser transmitida de mãe para filho ainda durante a gravidez.

Sintomas de Rubéola Congênita:

Os principais sintomas da Rubéola Congênita costumam ser leves e difíceis de serem notados, especialmente em crianças. Quando surgem, os sinais da doença demoram geralmente de duas a três semanas após a exposição com o vírus para se manifestar e duram, em média, de dois a três dias.

O principal deles é o surgimento de erupções vermelhas pela pele, que aparecem primeiramente no rosto e depois vão se espalhando pelo tronco, braços e pernas. Entre os outros sintomas da Rubéola Congênita estão:

  • Febre leve;
  • Dor de cabeça;
  • Congestão nasal;
  • Inflamação nos olhos (avermelhados);
  • Surgimento de nódulos na região da nuca e atrás das orelhas;
  • Desconforto geral e sensação de mal-estar constante;
  • Dor muscular e nas articulações.

Tratamento para Rubéola Congênita:

O tratamento desta síndrome pode variar de uma criança para outra, porque depende de como seu corpo foi afetado. As complicações nem sempre podem ser curadas mas o tratamento clínico, cirúrgico e a reabilitação deverão ser iniciadas precocemente para que a criança possa se desenvolver melhor.

Assim, os bebês que nascem com Rubéola Congênita devem ser seguidos por uma equipe composta de pediatra, cardiologista, oftalmologista e neurologista, e devem realizar sessões de fisioterapia para melhorar seu desenvolvimento motor e cerebral, podendo muitas vezes precisar de auxílio para andar e se alimentar, por exemplo.

Para aliviar os sintomas o médico poderá indicar o uso de analgésicos, remédios para febre, anti-inflamatórios não esteroides e imunoglobulinas.

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

INFORMAÇÃO DO AUTOR: Ana Karolynne Goncalve

Sou graduada no curso de Nutrição pela Universidade Federal do Maranhão(UFMA), CRN6-MA 16199, com Mestrado na área da Nutrição Clínica com relação ao metabolismo, prática e terapia nutricional, realizado também na Universidade Federal do Maranhão(UFMA), Atualmente trabalho no campo de pesquisa sobre a Qualidade e Inovação em Alimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *