Eles Associam a Síndrome de Pernas Inquietas a uma Alteração Cerebral!

Revisado por

Bioquímica Farmacêutica pela USP

Especialista do Cura Natural

Eles Associam a Síndrome de Pernas Inquietas a uma Alteração Cerebral!
Gostou do post? Avalie!

Eles Associam a Síndrome das Pernas Inquietas a uma Alteração Cerebral. Além disso, as causas da síndrome das pernas inquietas pode ser uma alteração no córtex somatossensorial do cérebro. Onde as sensações são processadas, uma descoberta que pode ajudar a desenvolver novas terapias.

Pacientes com Síndrome das Pernas Inquietas apresentam certas mudanças estruturais no córtex somatossensorial. Uma equipe de cientistas da Universidade de Minnesota, em Minneapolis (EUA). Portanto, descobriu uma anomalia estrutural no cérebro de pessoas com síndrome das pernas inquietas.

sindrome das pernas inquietas

Além disso, pode ser a causa deste distúrbio de movimento neurológica caracterizada por uma irresistível vontade de mover as pernas. Portanto, o que é acompanhado por desconforto nas extremidades inferiores.

Os principais sintomas da Síndrome das Pernas Inquietas, que é estimada em 3-10% da população na Espanha. São formigamento, coceira, dor ou sensação de tensão nas pernas. Que se manifestam especialmente quando o afetado está relaxado ou em descanso.

Então eles geralmente aparecem durante o descanso noturno causando insônia, conciliação e manutenção. Em pessoas com Síndrome das Pernas Inquietas a espessura média da área do córtex. Foi somatossensorial cerebral para 7,5% menor em comparação com indivíduos saudáveis

Mudanças na Área do Cérebro Onde as Sensações são Processadas:

Pacientes de Síndrome das Pernas Inquietas têm certas alterações estruturais no córtex somatossensorial. Que é a área do cérebro onde sensações são processados. E cuja função é a detecção de alterações que ocorrem tanto dentro como fora do corpo. Como temperatura, dor, movimento e posição do corpo, sugerindo que os sintomas que eles experimentam podem estar relacionados a essas alterações patológicas.

pernas inquietas

A pesquisa envolveu 28 pacientes com SPI grave, diagnosticados em média 13 anos antes. E outras 51 pessoas da mesma idade que não sofriam desse problema de saúde. Os pesquisadores submeteram todos eles a exames de ressonância magnética. Com o objetivo de analisar seu cérebro. Concentrando-se principalmente na região somatossensorial do córtex cerebral.

Eles descobriram que em pessoas com Síndrome das Pernas Inquietas, a espessura média da área somatossensorial do córtex cerebral foi até 7,5% menor do que a de indivíduos saudáveis. Além disso, esses pacientes tiveram uma diminuição na área do cérebro. Na qual as fibras nervosas dos dois hemisférios estão conectadas.

Essas mudanças apoia a hipótese de que SPI possui sintomas provenientes de apenas mudanças no cérebro. Portanto, proporcionando uma nova maneira de entender melhor esse transtorno. Além disso, provavelmente, ajuda a desenvolver novas terapias para combatê-la.

E que atualmente o Síndrome das Pernas Inquietas não tem cura e seu tratamento é baseado na administração de suplementos de ferro. Que não são eficazes em todos os casos. E em alguns medicamentos que foram associados a efeitos colaterais adversos em tratamentos prolongados.

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

INFORMAÇÃO DO AUTOR: Byanca Stefany

Sou graduada em Ciências Farmaceuticas pela Universidade Federal do Piaui (UFPI), com pós graduação em Fármaco e Medicamentos pela Universidade de São Paulo (USP) mestrado também pela Universidade de São Paulo (USP) na área de Tecnologia Bioquímica Farmacêutica e Doutoranda pela Universidade de São Paulo (USP) na área de Farmácia Fisiopatologista e Toxicologia. Atualmente Trabalho na área de Análise Clinicas, e tambèm atuo no Instituto de Pesquisa de Ciência, tecnologia e Qualidade (ICTQ) e exerço a função de Editor no site "Dicas de Saúde".