Conjuntivite – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos

Revisado por

Nutrição - CRN6-MA 16199

Conjuntivite – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos
5 (100%) 3 votes

Conjuntivite – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos desta condição. Além disso, a Conjuntivite pode ser considerada aguda ou crônica, porém não tende a deixar sequelas no paciente infectado. Tem como principal causa reações alérgicas de diferentes origens e também a mudança brusca de clima, além de vírus e bactérias que podem se alojar nessa parte do corpo.

conjuntivite

Vale lembrar que apesar de ser uma doença “simples” é bem contagiosa quando em forma viral ou bacteriana, sendo transmitida apenas com o contato das mãos, secreção e objetos contaminados.A Conjuntivite infecciosa é o tipo mais comum.

Essa categoria de Conjuntivite é contagiosa, ou seja, é possível passar para outras pessoas pelo ar ou contato com o local. Ela pode acometer um ou os dois olhos e, normalmente, apresenta lacrimejamento, sensação de areia nos olhos, secreção (clara ou amarelada) e hiperemia (olhos vermelhos).

O que é Conjuntivite?

A Conjuntivite é a inflamação da conjuntiva (o branco dos olhos). Os primeiros sinais e sintomas são a vermelhidão na parte branca dos olhos, o prurido ou “comichão”, o lacrimejo, a sensibilidade à luz, entre outros que podem variar de acordo com a Conjuntivite presente.

Os diferentes tipos de Conjuntivite variam de acordo com o agente patogênico envolvido, como veremos adiante com detalhe. A conjuntiva é a membrana transparente e fina que reveste a parte da frente do globo ocular (o branco dos olhos) e o interior das pálpebras.

A conjuntiva tem como principal função proteger o olho das agressões externas do meio ambiente, provocando para o efeito uma reação defensiva inflamatória.

Causas da Conjuntivite:

A Conjuntivite causada por bactérias ou vírus possui um alto nível de transmissão e ela se dá através do contato com a secreção causada pela doença e também por objetos contaminados. Confira abaixo algumas formas de transmissão:

  • Usar maquiagem da pessoa contaminada com o vírus (ou bactéria);
  • Usar a mesma toalha ou dormir com o mesmo travesseiro da pessoa contaminada;
  • Partilhar óculos ou lentes de contato;
  • Abraços e beijos.

Ao contrário do que muitos pensam, a doença não é transmitida pelo ar, porém, é preciso ter em mente que, mesmo a doença se limitando aos olhos, o vírus está presente em qualquer parte do corpo da pessoa infectada, como no rosto ou nas mãos.

Sintomas da Conjuntivite:

Os principais sintomas da Conjuntivite são:

  • olhos vermelhos;
  • Coceira;
  • Pálpebras inchadas;
  • Secreção purulenta;
  • Secreção esbranquiçada;
  • Visão borrada;
  • Ao acordar, o paciente tem dificuldade em abrir os olhos;
  • Sentir dor nos olhos ao olhar para lugares com claridade;
  • Sensação de areia nos olhos.

Fatores de Risco da Conjuntivite:

  • O fator de risco mais comum é colocar as mãos sujas e/ou contaminadas nos olhos.
  • Além disso, existem doenças que podem predispor o indivíduo, como herpes, doenças autoimunes ou virais.
  • Por fim, a baixa imunidade também pode favorecer seu surgimento.

Outros fatores de risco são:

  • Exposição a algo para o qual você é alérgico.
  • Exposição a alguém infectado com a forma viral ou bacteriana.
  • Usando lentes de contato, especialmente uso prolongado.

causas da conjuntivite

Tratamentos Para Conjuntivite:

O tratamento depende da causa. Medicamentos (pomadas ou colírios) podem ser recomendados para combater a infecção, aliviar os sintomas e o desconforto. Algumas recomendações podem ajudar:

  • Lavar as mãos com frequência;
  • Não colocar as mãos nos olhos para evitar a recontaminação;
  • Evitar coçar os olhos para diminuir a irritação da região;
  • Lavar as mãos antes e depois da aplicação do medicamento;
  • Não encostar o frasco do medicamento nos olhos;
  • Suspender o uso de lentes de contato.

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

INFORMAÇÃO DO AUTOR: Ana Karolynne Goncalve

Sou graduada no curso de Nutrição pela Universidade Federal do Maranhão(UFMA), CRN6-MA 16199, com Mestrado na área da Nutrição Clínica com relação ao metabolismo, prática e terapia nutricional, realizado também na Universidade Federal do Maranhão(UFMA), Atualmente trabalho no campo de pesquisa sobre a Qualidade e Inovação em Alimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *