Doença do Sono – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos

Revisado por

Bioquímica Farmacêutica pela USP

Especialista do Cura Natural

Doença do Sono – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos
5 (100%) 6 votes

Doença do Sono – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos nesse artigo você vai ficar por dentro de tudo sobre essa doença. Além disso, o parasita que causa a doença do sono é transmitido para humanos por moscas tsé-tsé infectadas, que procriam em regiões quentes e úmidas. Habitando a vasta savana da África subsaariana, as moscas entram em contato com as pessoas, com o gado e com animais selvagens, todos agindo como hospedeiros dos parasitas do Trypanosoma.

Os sintomas geralmente aparecem dentro de 1 a 3 semanas após uma mordida infecciosa, mas podem ser mínimos ou intermitentes durante os primeiros meses de infecção, dependendo da região onde a infecção ocorreu. A tripanossomíase do leste da África tem diferentes períodos de incubação da tripanossomíase da África Ocidental.

O que é Doença do Sono?

A Doença do Sono ou Tripanossomíase Humana Africana (THA), é causada pelo parasita Trypanosoma brucei e transmitida através da picada da mosca Tsé-tsé (Glossina palpalis). A doença é conhecida como “do sono” por conta da inconsciência e o mal estar que causa no paciente.

Quase meio milhão de pessoas são atingidas pela doença anualmente, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Acredita-se que 80% das pessoas infectadas morrem da doença do sono após apresentar os sintomas, como, cansaço, Febre alta, convulsões e dor intensa.

A pessoa é infectada através da picada de uma mosca tsé-tsé. A mosca adquire o protozoário ao alimentar-se do sangue de uma pessoa ou animal infectado. Pode também ocorrer a transmissão de mãe para filho durante a gravidez. Teoricamente a doença pode ser transmitida através da transfusão de sangue, mas isso verifica-se muito raramente. Foram também documentados infecções acidentais em laboratórios devido a picada de agulhas infectadas

Causas da Doença do Sono:

O causador da doença é um parasita conhecido como Trypanosoma brucei, ele é transmitido através da picada das moscas tsé-tsé que são encontradas na África, mais especificamente nas regiões quentes e úmidas espalhadas em 36 países pela África Subsaariana.

A mosca adquire o parasita picando humanos ou animais infectados. Há diversos locais em que o parasita pode se hospedar, como, em humanos e animais, sejam eles domésticos, selvagens ou gado.

Ainda há mais duas formas de transmitir a doença, mas essas não são muito comuns, é a contaminação em laboratórios através de agulhas contaminadas ou a transmissão de mãe para o filho.

Sintomas da Doença do Sono:

Os sintomas podem ser separados em dois estágios. O primeiro são com sintomas não específicos, são generalizados, como:

  • Febre;
  • Dor de cabeça;
  • Dor nas articulações.

Os sintomas do segundo estágio são um pouco mais específicos mas ainda assim muito abrangente. Os mais conhecidos são:

  • Sudorese;
  • Mudanças de humor ou comportamento;
  • Convulsões;
  • Ansiedade;
  • Confusão mental;
  • Aumento de linfonodos (ínguas);
  • Distúrbios sensoriais e de coordenação;
  • O sono também é perturbado, durante a noite a pessoa permanece acordado e sente muita vontade de dormir durante o dia.

Se a doença do sono não for tratada, pode trazer sério riscos à saúde e até mesmo se tornar fatal.

Tratamento da Doença do Sono:

O tipo de tratamento para a doença do sono irá depender do estágio em que a doença se encontra, sendo que quanto mais cedo for iniciado o tratamento melhores as perspectivas de sucesso. No primeiro estágio os medicamentos utilizados são de baixa toxidade.

E fáceis de administrar, mas no segundo estágio a medicação deve transpassar a barreira hemato-encefálica para alcançar o parasita, então são medicações que podem apresentar mais efeitos colaterais.

Para o primeiro estágio é recomendado o uso de pentamidina e suramina. Já para o segundo estágio da doença do sono, desde 2009, a OMS recomenda a combinação terapêutica de nifurtimox-eflornitina, ou NECT, que é mais seguro do que o melarsoprol, utilizado anteriormente.

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

INFORMAÇÃO DO AUTOR: Byanca Stefany

Sou graduada em Ciências Farmaceuticas pela Universidade Federal do Piaui (UFPI), com pós graduação em Fármaco e Medicamentos pela Universidade de São Paulo (USP) mestrado também pela Universidade de São Paulo (USP) na área de Tecnologia Bioquímica Farmacêutica e Doutoranda pela Universidade de São Paulo (USP) na área de Farmácia Fisiopatologista e Toxicologia. Atualmente Trabalho na área de Análise Clinicas, e tambèm atuo no Instituto de Pesquisa de Ciência, tecnologia e Qualidade (ICTQ) e exerço a função de Editor no site "Dicas de Saúde".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *