Chá de Labaça – O que é, Benefícios e Como Usar

Revisado por

Graduado em Ciências da Nutrição!

Especialista do Cura Natural

Chá de Labaça – O que é, Benefícios e Como Usar
4 (80%) 2 vote[s]

Chá de Labaça – O que é, Benefícios e Como Usar as propriedades do chá para tratar varias doenças. Alem disso, comum na região Sul do país, a labaça é uma planta que pertence à família das Poligonáceas.

Assim como acontece com tantos outros exemplares da flora mundial, essa planta também possui propriedades curativas, extraídas a partir do uso das raízes e das folhas.

Porém, antes de incluí-la no tratamento é bom que o médico seja consultado.

Dependendo do local onde é encontrada, a labaça pode ser conhecida por vários outros nomes, a exemplo de azeda-graúda, consólida-brava e confrei-bravo. Ela é uma espécie de pequeno porte, chegando a atingir até um metro de altura.

Benefícios do Chá de Labaça:

Na medicina natural, a parte da planta utilizada são as raízes e as folhas, porém, depois de secas. Através do seu efeito depurativo, a planta pode ser usada como desintoxicante hepático, estimula a produção do suco biliar, regularizadora das funções intestinais e como laxante.

A labaça também é eficaz contra afecções da pele, pruridos, dermatites, eczemas e erisipelas. Ela ainda repõe os sais minerais perdidos pelo corpo.

Chá de Labaça:

Depois de conhecer um pouco mais sobre a labaça, chegou a hora de aprender a preparar o chá da planta.

Lembrando que essa é uma das mais usadas formas de tratamento entre os pacientes. Para isso você vai precisar de 200 ml de água filtrada e uma colher de sopa de raiz fatiada.

Primeiro, coloque a água para ferver. Assim que ela atingir o ponto de ebulição, acrescente a raiz da labaça e deixe ferver por cerca de cinco minutos.

Desligue o fogo e deixe o recipiente tampado por cerca de 10 minutos. Passado esse tempo, retire a raiz e a bebida está pronta para ser ingerida.

Efeitos Colaterais:

O consumo das partes frescas da planta pode acarretar no aparecimento de náuseas e até episódios de vômitos. Além do mais, ela também irrita as mucosas.

Os pacientes que apresentam irritação biliar, renal ou cálculos formados pelo oxalato de cálcio devem evitar a planta.

Não há relatos de estudos sobre sua farmacocinética e usos entra as mulheres grávidas. Porém, é bom ficar alerta a esse ponto nos três primeiros meses da gestação.

Para evitar qualquer problema, leve sempre em consideração à procura por um médico.

A indicação é de que o consumo diário não ultrapasse as três xícaras, sempre antes das principais refeições.

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

INFORMAÇÃO DO AUTOR: Rafael Cardoso

Com mais de 5 anos de experiência, Rafael Almeida é Graduado em Ciências da Nutrição pela Universidade Ceuma desde 2012. Atua em Atendimento Clínico-Nutricional, com foco no bem estar e qualidade de vida do paciente, através da reeducação alimentar e acompanhamento nutricional, com planos alimentares personalizados, de acordo com o objetivo e avaliação clínica individual, comprometido com o sucesso do tratamento de seus pacientes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *