Início » Doenças e Tratamentos » Tricomoníase – o que é, causas, sintomas e tratamentos!

Tricomoníase – o que é, causas, sintomas e tratamentos!

prevenir a tricomoníase

A tricomoníase é uma infecção do trato vaginal inferior feminino ou trato genital masculino causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis. Pode ser assintomática ou causar uretrite e vaginite, ocasionalmente cistite, epididimite ou prostatite.

Além disso, o organismo pode persistir por longos períodos no trato urinário masculino sem causar sintomas, e pode ser transmitida involuntariamente aos parceiros e parceiras sexuais. É comum a tricomoníase estar acompanhada de gonorreia e outras doenças sexualmente transmissíveis (DST).

tricomoníase
tricomoníase

Quais são os sintomas da tricomoníase?

Tricomoníase no homem: No sexo masculino a infecção pelo Trichomonas vaginalis costuma ser assintomática e transitória, melhorando espontaneamente em muitos casos. O homem costuma ser um carreador assintomático do parasito. Quando há sintomas, o quadro mais comum é a uretrite (inflamação da uretra) levando à dor para urinar e corrimento uretral purulento. Uma complicação pouco comum mas possível é a infecção da próstata pelo Trichomonas, levando à prostatite.

Tricomoníase na Mulher: No sexo feminino a infecção pelo Trichomonas vaginalis também pode ser assintomática, mas pelo menos 2/3 das mulheres infectadas apresentam sintomas. Além disso, o quadro mais comum é a vaginite, inflamação da vagina que cursa com corrimento amarelo-esverdeado de odor desagradável associado à disúria (dor para urinar), dispareunia (dor durante o ato sexual) e prurido (coceira) vaginal.

A tricomoníase não tratada é fator de risco para infertilidade e câncer do colo do útero. Nas grávidas a infecção está associada a parto prematuro.

O que causa tricomoníase?

O protozoário causa lesão do epitélio vaginal, levando à formação de úlceras microscópicas que aumentam o risco de contaminação por outras DSTs, como:

O período de incubação da tricomoníase tem duração de 4 a 28 dias, embora muitos pacientes sejam assintomáticos por longos períodos. Algumas mulheres ainda possuem o Trichomonas por meses antes de aparecerem os primeiros sintomas. Por isto, é difícil saber quando ocorreu a contaminação.

Como prevenir a tricomoníase?

A Tricomoníase é uma DST que acomete milhões de pessoas todos os anos. Para que você previna o surgimento desta doença é importante que você previna através de medidas simples, principalmente levando-se em conta a forma de transmissão desta enfermidade, que se dá pelo contato sexual. Por isso, veja o que você pode fazer para prevenir e reduzir o risco de infecção por Tricomoníase:

  • Usar preservativo em todas as relações sexuais,
  • Limitar o número de parceiros(as) sexuais,
  • Caso seu(sua) parceiro(a) esteja infectado(a), evite a relação sexual ou limite o contato sexual até que ocorra a cura da doença,

Se você apresentar alguns dos sintomas e acreditar que está com tricomoníase, evite contato sexual e procure um médico.

prevenir a tricomoníase

Qual é o tratamento de tricomoníase?

O tratamento mais comum para tricomoníase, inclusive durante a gravidez, é tomar uma dose alta de metronidazol, secnidazol ou tinidazol. O medicamento ministrado por via oral é muito mais eficaz para tricomoníase que a inserção de um creme ou gel no órgão sexual.

Tanto o paciente quanto os parceiros e parceiras sexuais precisam de tratamento e evitar ter relações sexuais desprotegidas até que a infecção seja curada, o que leva cerca de uma semana. Os efeitos colaterais da medicação podem incluir:

É proibida a ingestão de bebidas alcoólicas por 24 horas depois de tomar metronidazol ou 72 horas depois de tomar tinidazol, pois pode causar náuseas e vômitos severos.

Dr. Valeria Carneiro Graduada na Universidade Federal de Minas Gerais em Medicina Especializada em Ginecologia e Obstetrícia, Pós Graduada no Departamento de Ginecologia na UNIFESP/ EPM a 2 anos, Experiencia clinica em patologias do trato genital feminino e foco em cirurgias ginecológicas como também especialista em partos normais e cirúrgicos.

Deixe um comentário