Doença de Refsum – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos

Revisado por

Nutrição - CRN6-MA 16199

Doença de Refsum – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos
4.2 (84%) 5 vote[s]

Doença de Refsum – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos que vamos detalhar agora. Além disso, a Doença de Refsum (RD) é uma síndrome neurocutânea que é caracterizada bioquimicamente pelo acúmulo de ácido fitânico no plasma e nos tecidos. Os pacientes com Doença de Refsum são incapazes de degradar o ácido fitanico devido a uma atividade deficiente da hidroxilase de fantoil-CoA (PhyH), uma enzima peroxisômica que catalisa o primeiro passo da oxidação alfa do ácido fítico. A Doença de Refsum pode ser classificada como um transtorno de biogênese com peroxissoma.

Doença de RefsumEsta categoria é herdada como um traço autossômico recessivo e é caracterizada por montagem de peroxissoma alterada, resultando em múltiplas deficiências de enzimas peroxisomas, seqüelas de desenvolvimento complexas e incapacidades progressivas. A Doença de Refsum infantil é um transtorno de biogênese peroxisoma.

Refsum descreveu pela primeira vez esta doença em 1946. A polineuropatia periférica, ataxia cerebelar, retinite pigmentosa e ictiose são os principais componentes clínicos. Os sintomas evoluem de forma lenta e insidiosa desde a infância até a adolescência e início da idade adulta.

Causas da Doença de Refsum:

A causa é um gene autossômico recessivo. Indivíduos com essa doença não produzem a enzima que metaboliza o fitol (fitol-CoA-hidroxilase ou peroxina. O acúmulo desse ácido no plasma e nos tecidos causam lesões em diversos tecidos do organismo. É mais frequente em crianças e adultos jovens de origem escandinava.

Sintomas da Doença de Refsum:

Pacientes com Doença de Refsum geralmente não apresentam defeitos óbvios ao nascer, e o crescimento e o desenvolvimento parecem normais. Os sintomas iniciais geralmente aparecerão aos 20 anos, embora os pacientes tenham sido conhecidos que não apresentam sintomas até cerca de 50 anos.

As queixas iniciais geralmente envolvem problemas de visão e / ou fraqueza nos braços e pernas. A doença é progressiva, embora possa haver períodos de remissão inexplicada. Abaixo está uma lista dos sintomas mais comuns da Doença de Refsum . Nós incluímos os termos clínicos, bem como uma descrição do seu significado.

Retinite pigmentosa: Retinite pigmentosa é uma doença do olho, resultante da degeneração de uma parte do olho chamada retina. Isso afeta a visão noturna e a visão periférica e, eventualmente, pode levar à cegueira.

  • Polineuropatia periférica: a polineuropatia periférica é o termo para a disfunção dos nervos fora da medula espinhal. Os sintomas podem incluir entorpecimento, fraqueza, dor de queimação e perda de reflexos.
  • Surdez: perda de audição
  • Ataxia cerebelar:
  • Ataxia é uma tremulação. A ataxia cerebelar refere-se ao fato de que o defeito está em uma parte específica do cérebro (o cerebelo), e a incoordinação e instabilidade é devido ao fracasso do cérebro para regular a postura do corpo, bem como a força e direção dos movimentos do corpo.
  • Anosmia: perda do sentido do cheiro
  • Anormalidades papilares: anormalidade das pupilas do olho
  • Nistagmo: movimentos oculares rápidos, involuntários e rítmicos
  • Ictiose: a ictiose é uma escalabilidade não inflamatória da pele. Estes sintomas podem variar em qualquer lugar, desde a escama das palmeiras e solas dos pés até a escaldância no tronco do corpo.
  • Displasia epifisária: o epífise é a área de crescimento no final de um osso, enquanto a displasia significa formação anormal. Isso significa que pacientes com doença de Refsum muitas vezes têm membros reduzidos.

Como é Diagnosticada a Doença de Refsum?

Como mencionamos acima, a doença de Refsum resulta de uma incapacidade de quebrar uma determinada molécula conhecida como ácido fitânico. Portanto, a doença de Refsum pode ser confirmada por um exame de sangue simples que mede os níveis de ácido fitânico.

Além disso, os casos mais conhecidos de Doença de Refsum resultam de defeitos em uma proteína conhecida como hidroxilase de fantoil-CoA ou PAHX.

Existem algumas mutações comuns que foram identificadas, o que pode permitir que os membros da família sejam selecionados para determinar se são portadores do gene responsável pela doença. Isso pode permitir que eles tomem decisões informadas sobre ter filhos.

Tratamento da Doença de Refsum:

O principal tratamento é evitar alimentos que aumentem o ácido fitênico no sangue conhecida como dieta de Refsum. Ou seja, evitar certas carnes, peixes, laticínios e folhas verdes. A perda de peso libera ácido fitênico armazenado no organismo aumentando os sintomas.

Uma modalidade terapêutica disponível seria através de plasmaférese, troca plasmática realizado por uma máquina de aférese, sendo classificada pela Sociedade Americana de Aférese (ASFA) em 2010 como categoria I, ou seja, terapia de primeira escolha.

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

INFORMAÇÃO DO AUTOR: Ana Karolynne Goncalve

Sou graduada no curso de Nutrição pela Universidade Federal do Maranhão(UFMA), CRN6-MA 16199, com Mestrado na área da Nutrição Clínica com relação ao metabolismo, prática e terapia nutricional, realizado também na Universidade Federal do Maranhão(UFMA), Atualmente trabalho no campo de pesquisa sobre a Qualidade e Inovação em Alimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *