Doenças e Tratamentos

Crupe – o que é, causas, sintomas e tratamentos!

Crupe

A crupe é uma laringotraqueite infecciosa aguda que ocorre na maior parte nas crianças menos de seis anos de idade (embora a incidência máxima é ao redor dois anos). É caracterizado por uma tosse do descascamento, por uma voz rouco e por umas dificuldades respiratórias, que sejam consideradas tipicamente para ocorrer na noite.

crupe o que e, causas, sintomas e tratamentos
crupe o que e, causas, sintomas e tratamentos

Causas da crupe:

O crupe é causado por uma infecção viral tal como o vírus de Parainfluenza, ou pelo vírus de sarampo, pelo vírus syncytial respiratório (RSV), pelos vírus adenóides ou pelo virus da gripe. Estes são espalhados frequentemente entre as crianças prées-escolar que não ganharam ainda a imunidade aos micro-organismos, tais como aquelas entre três meses e cinco anos de idade. Contudo, em alguns casos as crianças mais idosas podem igualmente desenvolver o crupe. A incidência máxima é ao redor 24 meses, e o número o mais alto de casos ocorre entre Outubro e Março.

As infecções Bacterianas (causadas por estafilococos, por exemplo) podem igualmente causar o inchamento da traqueia, igualmente conhecido como o tracheitis bacteriano. Outras causas menos comuns do crupe incluem alergias, corpos estrangeiros colados na traqueia superior, inalando as substâncias ou o ácido irritante que repetem como um papagaio no esófago que causa a irritação da mucosa e da traqueia próxima.

Os vírus ou as bactérias são transmitidos tocando superfícies contaminadas e então sua olhos, nariz ou boca. Inalar as gotas respiratórias carregado com bactérias e/ou vírus que são espirrados ou tossidos no ar é igualmente um mecanismo importante da transmissão.

Fatores de risco da crupe:

Os maiores riscos de obter crupe são crianças entre 6 meses e 3 anos de idade. A incidência máxima da condição é de cerca de 24 meses de idade.

Complicações da crupe:

A maioria dos casos de crupe é leve. Em uma pequena porcentagem de casos, a via aérea invade o suficiente para interferir na respiração.

Tratamentos:

A administração de esteroides, como a dexametasona ou budesonida, ajuda a criança afetada pela doença. Em caso de febre e dor, é possível utilizar o paracetamol. Para casos graves, é possível associar adrenalina. Pacientes pequenos, cuja saturação de oxigênio não exceda 92%, são suscetíveis de serem tratados com a terapia de oxigênio. No entanto, os médicos preferem alternativas à máscara de oxigênio, pois ela pode levar a um aumento da agitação em crianças.

Formado em Comunicação Social, especialista em jornalismo digital e SEO, responsável por criar diversos projetos na internet, afim de levar conhecimento à todos sobre saúde, beleza, bem estar, natureza e entretenimento.

Deixe um comentário