Mastite – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos

Revisado por

Nutrição e Educação Física pela UFT

Especialista do Cura Natural

Mastite – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos
4.8 (96%) 5 vote[s]

Mastite – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos desta condição. Além disso, a Mastite na mama é uma inflamação que é causada geralmente por uma infecção. Isso pode ocorrer com qualquer mulher, embora é mais comum durante os primeiros 6 meses de amamentação.

mastite

Por esta razão, a Mastite é muitas vezes uma doença. Pode causar muita fadiga em uma nova mãe. Se a doença for adicionada ao dever de cuidar um bebê, muitas mulheres param completamente de amamentar no seio, mas é possível continuar a amamentar.

Geralmente, o aleitamento materno ajuda a curar a infecção e o leite materno não faz mal ao recém-nascido. A condição é geralmente unilateral, mas em casos raros, pode ser bilateral. A Mastite em mulheres que não amamentam é mais frequente no pós-menopausa. Ela é uma doença muito rara nos homens.

O que é Mastite?

A Mastite nada mais é que uma inflamação na região da mama que ocorre por conta do acometimento dos dutos mamários, principalmente durante a amamentação. Os dutos mamários sãos os canais por onde o leite precisa passar antes de sair pelos mamilos.

A infecção chamada de Mastite é uma inflamação das glândulas mamárias bastante comum nas primeiras semanas de amamentação, mas pode ocorrer em qualquer fase enquanto o organismo estiver produzindo leite.

Existem dois tipos de Mastite, a Mastite Infecciosa e a Mastite por entupimento do canal do leite. No tipo infeccioso, a doença pode ser causada pela penetração e multiplicação das bactérias presentes na pele da mulher ou na boca do bebê nas glândulas mamárias.

Já na outra maneira, a inflamação dos mamilos pode decorrer do acumulo de leite nos dutos mamários, seja por insuficiência do esvaziamento da mama ou até mesmo pela alta produção de leite.

Causas da Mastite:

A Mastite ocorre com mais frequência durante a amamentação, uma vez que a boca do bebê pode conter bactérias que entram pelos ductos mamários ou através de uma rachadura no mamilo. As infecções mamárias por lactação ocorrem mais comumente nos três primeiros meses após o parto, mas pode ocorrer em outros momentos da amamentação.

Em mulheres na pós-menopausa, a infecção mamária pode estar associada com uma inflamação crônica dos ductos abaixo do mamilo. As alterações hormonais no organismo podem fazer com que os dutos de leite fiquem obstruídos com células mortas da pele e detritos, favorecendo a infecção.

Outras causas de infecção incluem Mastite crônica e uma forma rara de câncer chamado de carcinoma inflamatório.

Em mulheres saudáveis, a Mastite é rara. No entanto, mulheres com diabetes, AIDS ou outras doenças que comprometem o sistema imunológico podem ser mais suscetíveis.

Sintomas da Mastite:

A Mastite apresenta como principais sinais e sintomas o endurecimento da mama (leite empedrado), vermelhidão local, dor, cansaço, calafrios e febre, geralmente acima de 38ºC. Ao toque, a área da mama acometida costuma estar endurecida, com aumento de temperatura e dolorosa.

A Mastite da amamentação costuma acometer apenas um dos seios, sendo rara a infecção bilateral ao mesmo tempo. O quadro costuma começar de forma branda, primeiro com o endurecimento de uma região da mama, indicando estase do leite neste sítio. A partir daí, podem surgir dor e uma pequena vermelhidão local.

O esvaziamento adequado da mama neste momento é importante para evitar a progressão da inflamação. Se a estase se mantiver, pode haver infecção do local, surgindo, então, os sintomas de febre alta, calafrios e prostração.

Diagnóstico da Mastite:

Por se tratar de uma infecção que apresenta manchas e inchaço na região afetada, o diagnóstico seguro da condição pode ser feita de maneira bastante simples, a partir da análise dos sintomas que surgiram. Culturas e exames que analisam amostras do leite materno também são fundamentais para a detecção da doença.

Em casos mais evoluídos, quando a mulher não consegue soltar o leite para amamentar pode ser necessária a mamografia e até a biopsia da mama afetada para tentar detectar a infecção. O diagnóstico seguro é fundamental, já que alguns sintomas da Mastite podem facilmente ser confundidos com alguns tipos de câncer de mama.

Tratamentos Para Mastite:

É importante ficar alerta para os sintomas da inflamação. Ao menor sinal, é importante procurar um especialista para analisar o caso evitando possíveis complicações. Se a condição for diagnosticada, o tratamento consiste na ingestão de antibióticos específicos e de medicamentos sintomáticos (analgésicos e antitérmicos).

De acordo com a Dra. Mariana, em alguns casos há necessidade de tratamento invasivo por punção dos pontos de flutuação (pus) e, em casos mais graves, intervenção cirúrgica para drenagem do abscesso.

Para Mastites menos complicadas, a recuperação pode levar de 3 a 4 dias com o uso de antibiótico. Já as complicadas, com abscesso, podem demorar até 10 dias para melhorar. Não podemos esquecer que a imunidade da paciente está diretamente relacionada a resposta do tratamento.

causas da mastite

Prevenção da Mastite:

Algumas atitudes simples podem ajudar na prevenção desta condição. Ao amamentar, a mulher deve esvaziar completamente uma mama antes de passar o bebê para a outra e começar a próxima refeição a partir da última mama que o bebê utilizou. Quando sentir que a mama está muito cheia, recomenda-se a utilização de bombas para retirar o excesso de leite.

Não amamentar sempre na mesma posição, higienizar bem a mama antes do bebê utilizá-la e não permitir que o bebê utilize a mama como chupeta, ou seja fique chupando a mama sem retirar o leite, também são atitudes que ajudam a prevenir da Mastite.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *