Distrofia Muscular – O que é, Causas e Prevenção

Revisado por

Dr. Valeria Carneiro Graduada em Ginecologia e Obstetrícia!

Especialista do Cura Natural

Distrofia Muscular – O que é, Causas e Prevenção
4.8 (95.38%) 13 vote[s]

Distrofia Muscular – O que é, Causas e Prevenção para ficar longe deste mal. Além disso, a distrofia muscular é um conjunto de distúrbios que causam a perda progressiva de massa muscular e como resultado, a perda de força nos músculos. É uma condição causada por mutações genéticas que interferem na produção das proteínas musculares necessárias para construir e manter músculos saudáveis.

A ausência dessas proteínas pode causar problemas de coordenação muscular, assim como, para caminhar e engolir. É uma doença genética e, consequentemente, um histórico de distrofia muscular familiar aumenta a chance de um outro membro da família desenvolver a doença. A distrofia muscular pode acontecer em qualquer fase da vida, mas geralmente é diagnosticada na infância. Os meninos possuem chances maiores de desenvolver esse transtorno do que as meninas.

O diagnóstico da distrofia muscular depende do tipo e da gravidade dos sintomas. Porém, a maioria das pessoas com distrofia muscular perde a capacidade de andar e acaba precisando assim, utilizar cadeira de rodas.

Causas da Distrofia Muscular:

Centenas de genes estão envolvidos na produção de proteínas que protegem as fibras musculares de danos. A distrofia muscular ocorre quando um desses genes está com defeito. Cada forma de distrofia muscular é causada por uma mutação genética específica. Muitas destas mutações são herdadas, mas algumas podem ocorrer espontaneamente no óvulo da mãe ou no embrião em desenvolvimento.

Sintomas de Distrofia Muscular:

Fraqueza muscular progressiva é a principal característica de distrofia muscular. Cada forma separada de distrofia muscular, no entanto, pode variar um pouco o local dos sintomas:

Distrofia Muscular de Duchenne: Os sinais e sintomas geralmente surgem quando a criança começa a andar e podem incluir:

  • Quedas frequentes;
  • Dificuldade de se levantar de uma posição deitada ou sentada;
  • Problemas para correr e pular;
  • Andar gingado;
  • Músculos da panturrilha maiores que o normal;
  • Dificuldades de aprendizagem.

Distrofia Muscular de Becker: Esta variedade tem sinais e sintomas semelhantes à distrofia muscular de Duchenne, mas eles são mais leves e progridem mais lentamente. O início dos sintomas é geralmente na adolescência, mas pode não ocorrer até meados dos 20 anos ou mesmo mais tarde.

Outros tipos de Distrofia Muscular:

  • Distrofia muscular Miotônica: apresenta uma incapacidade de relaxar os músculos à vontade. Na maioria das vezes começa no início da idade adulta. Músculos da face são geralmente os primeiros afetados.
  • Distrofia Muscular Tipo Cinturas: os músculos do quadril e ombro são geralmente os primeiros afetados neste tipo de distrofia muscular. Em alguns casos, torna-se difícil para levantar a parte frontal do pé. Os sinais e sintomas podem começar desde a infância até a idade adulta.
  • Distrofia Muscular Congênita: é evidente no nascimento ou até os dois anos de idade. Algumas formas progridem mais lentamente e causam apenas incapacidade leve, enquanto outras avançam rapidamente e causam prejuízos graves.
  • Distrofia muscular facio-escapulo-umeral: um dos sinais mais marcantes é que as omoplatas podem ficar para fora, como asas, quando a pessoa levanta seus braços. O início geralmente ocorre em adolescentes ou adultos jovens.
  • Distrofia muscular óculo faríngea: o primeiro sinal é a queda das pálpebras. A fraqueza dos músculos dos olhos, face e garganta muitas vezes resulta em dificuldades de deglutição. Os sinais e sintomas aparecem pela primeira vez na idade adulta, geralmente entre 40 e 50 anos.

Tratamento para Distrofia Muscular:

Não há tratamento específico que possa parar ou reverter a progressão de qualquer tipo de distrofia muscular. Todas as formas de distrofia muscular são genéticas e não podem ser prevenidas. O tratamento para distrofia muscular visa manter o paciente independente o maior tempo possível e prevenir complicações resultantes da fraqueza , diminuição de mobilidade e dificuldades cardíacas e respiratórias. O tratamento pode envolver uma combinação de ações como fisioterapia, remédios e cirurgia.

Ventilação assistida é muitas vezes necessária para tratar a fraqueza respiratória que acompanha muitas formas de distrofia muscular, especialmente nos últimos estágios. A terapia com remédios pode ser receitada para adiar a degeneração muscular. Porém, os remédios podem ter efeitos colaterais como ganho de peso e fragilidade óssea que podem ser problemáticos especialmente para crianças. Antibióticos podem ser usados para tratar infecções respiratórias.

Fisioterapia pode ajudar a prevenir deformidades, melhorar a movimentação e manter os músculos o mais flexíveis e fortes possível. A fisioterapia deve começar o mais cedo possível depois do diagnóstico, antes que ocorra rigidez da musculatura e articulações.

Mudanças na dieta não mostraram efeito na diminuição da progressão da distrofia muscular. Porém, alimentação apropriada é essencial para a saúde geral. A limitação de mobilidade resultante da fraqueza muscular pode contribuir para obesidade, desidratação e constipação. Um dieta com poucos carboidratos e rica em fibras e proteínas, combinada com ingestão apropriada de fluidos, pode ajudar. Pacientes com distrofia muscular com problemas para engolir ou respirar, e aqueles que perderam a capacidade de caminhar independentemente, devem ser monitorados para sinais de malnutrição.

Terapia ocupacional pode ajudar alguns pacientes a lidar com a fraqueza progressiva e perda de mobilidade. Algumas pessoas podem precisar aprender novos trabalhos e outras formas de realizar tarefas, enquanto outras precisam trocar de emprego.

Ajuda tecnológica pode incluir modificações na arrumação de casa e trabalho, assim como uso de cadeira de rodas motorizada, acessórios para cadeira de rodas e utensílios adaptados. Cirurgia corretiva é muitas vezes feita para aliviar as complicações decorrentes da distrofia muscular.

Prevenção Para Distrofia Muscular:

A melhor recomendação para se prevenir uma Distrofia Muscular é a leitura e o aconselhamento genético por conta da família que já tem histórico da doença. Exames realizados na gravidez já são capazes de detectar algum tipo de distrofia.

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

INFORMAÇÃO DO AUTOR: Valeria Carneiro

Dr. Valeria Carneiro Graduada na Universidade Federal de Minas Gerais em Medicina Especializada em Ginecologia e Obstetrícia, Pós Graduada no Departamento de Ginecologia na UNIFESP/ EPM a 2 anos, Experiencia clinica em patologias do trato genital feminino e foco em cirurgias ginecológicas como também especialista em partos normais e cirúrgicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *